Farmácias de manipulação não se assustam com a crise

A crise pode até inspirar cautela nas empresas, mas alguns setores esperam bons resultados mesmo nesse cenário incerto. O segmento de farmácias de manipulação faz parte desses casos. O Panorama Setorial sobre as Farmácias de Manipulação Brasileiras (2015/2016), realizado pela Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais (Anfarmag), aponta que 73% dos entrevistados registraram crescimento em seu faturamento ou resultados estáveis no ano passado. A expectativa é que o setor movimente R$5 bilhões de reais por ano.

O levantamento revela que o setor é formado por microempresas e empresas de pequeno porte lideradas por mulheres multitarefa e com formação superior. As mulheres estão à frente de 71% dos empreendimentos, têm, em média, 43 anos, e 84% graduaram-se em Farmácia. Os dados foram coletados no segundo semestre de 2015.

Atualmente, o mercado brasileiro de farmácias de manipulação conta com 7.200 estabelecimentos, segundo aponta a pesquisa. No mesmo período, o setor de farmácias tradicionais totaliza, segundo a Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias, 5.964. As vendas do segmento tradicional totalizaram, em 2015, R$ 35 bilhões de faturamento (incluindo comércio de medicamentos e produtos gerais).

A pesquisa também procurou mapear o humor dos empresários desse campo de atuação diante da crise: 72% declararam estar investindo em melhorias e 87% afirmaram que pretendiam investir na farmácia nos meses seguintes. Segundo a associação, cerca de 90 mil empregos diretos são gerados por esse grupo.

Para o farmacêutico Lucas Portilho, diretor científico do 11º Congresso Internacional Consulfarma, um dos segredos do crescimento é o custo-benefício dos produtos, feitos sob medida. Além disso, muitas novidades acabam chegando às farmácias de manipulação antes mesmo de serem lançadas pela indústria.

“A farmácia de manipulação não oferece só remédio. Oferece bem-estar em forma de suplementos, cosméticos, aromaterapia e produtos que melhoram a estética do paciente. O brasileiro é vaidoso e a farmácia de manipulação tem tudo que ele precisa para melhorar sua autoestima”, explica.

Fonte: Portal Varejo

Início